Reflexão “Fashionistica” (atrasada)

por CoolHype

A mais ou menos dois anos atrás, eu era o que costumam chamar de consumidor não-esclarecido. O simples fato de desconhecer como a roupa pode servir de molde para que se crie uma identidade ideológica, me fazia resumir moda em: três calças jeans retas e chatas, tênis esportivo e camisetas com estampas sem nexo algum.

Eu logo então, fazia parte do grupo de Um bilhão de garotos, que pensam que moda é coisa fútil e que roupa pode ser qualquer uma, mas, fui salvo pelos blogs de moda. #Uffa!

Comecei a me interessar muito pelo assunto, fazendo com que me despertasse o amor pela cultura de vestuário. Com tal cultura, vieram várias outras aspirações de brinde. Sou só eu ou mais alguém aí ama os filmes da Audrey Hepburn?

Agora o mais difícil era: Como me tornar um seguidor desse “Fashion World”.

A verdade é que, a cultura de moda não passa de, você se caracterizar pelas roupas que veste. Mostrar uma ideologia genuína na qual, você tenha de usar artifícios (roupas) que atraiam a atenção das pessoas para as suas idéias.

Para te ajudar a iniciar uma busca pela sua identidade no jeito que se veste, são criadas tendências. A partir daí você começará a construir uma cabeça que esteja desligada de dogmas “sub-impostos” pela sociedade, fazendo com que você entre, mais do que ninguém, no que chamamos de “Fashionismo”.  Bem, espero ter ajudado a esclarecer as dúvidas que ainda lhe impedem de se tornar um (a) amante da moda, como ela é!

 

Anúncios